7.8.19

Cottagecore Asks - Parte I

O que você faria em um piquenique? Onde você iria?

Nossa, meu sonho de princesa é fazer um piquenique com tudo que tem direito: uma cesta grande, uma toalha vermelha xadrez estendida no chão, bolinhos, sucos, frutinhas. Tiraria muitas fotos, levaria um livro pra ler um pouco, andaria descalça na grama e comeria todas as coisas gostosas que levei. Em São Paulo eu iria no Parque do Ibirapuera, em Jaguariúna eu iria no Parque dos Lagos e quando tiver a oportunidade, em Campos do Jordão iria no Horto Florestal. 

Se você pudesse ser um animal, qual seria e por que?

Eu gosto muito de gatos, mas acho que gostaria de ser um cardeal. É meu pássaro preferido e deve ser muito maravilhoso poder voar por todos os lugares e ver paisagens incríveis lá do alto.

Você tem algum ritual para dormir? Quando você se sente mais aconchegado?

Normalmente eu mexo no celular até ficar com sono, nada além disso. Certamente o meu maior aconchego é deitar e sentir o cheiro de amaciante das minhas roupas de cama e me acomodar virada para a esquerda. Também só durmo bem se tiver um travesseiro pra abraçar e colocar entre as pernas (me incomoda muito a sensação dos meus joelhos juntos).

Você gosta de jardinagem? Se sim, como seria seu jardim dos sonhos?

Amo, apesar de não ter muito talento pra isso ainda. Meu sonho é ter um amplo jardim com muitas flores, arbustos, pinheiros e árvores frutíferas, principalmente as berries em geral. 

O que você gosta de fazer nos dias de sol? Gosta de clima quente?

Eu não sou a pessoa mais empolgada com o calor, prefiro mil vezes um dia parcialmente nublado com uma brisa bem fresquinha. Mas se for pra fazer algo em dias de sol, acredito que passear num parque seja a melhor alternativa pra mim.

Quando as coisas estão difíceis, o que te dá esperança? O que te ajuda a se sentir melhor?

Normalmente eu procuro pensar nas coisas felizes que já vivi e nas coisas que ainda quero realizar e foco completamente nisso. Geralmente eu procuro entrar no we♥it  e tumblr e ficar apreciando meu feed, pois aquilo representa 100% a vida que eu quero viver um dia ou então ler blogs ou ver vídeos de pessoas inspiradoras.

Se você pudesse ter algum animal de estimação qual você teria? Como ele se chamaria?

Eu já tenho animais de estimação: gatos. Mas tenho muita vontade de ter um Golden Retriever chamado Hurik e um cachorro preto qualquer pra chamar de Sirius.


4.8.19

Domingo, 4.

Tenho estado longe. Longe não só desse blog, nem das redes sociais, nem dos contatos físicos. Ando longe dos meus pequenos prazeres diários, das coisas que desejo aprender e conhecer, longe do que sou e do que quero ser.

Estou naquela fase enfadonha da vida em que sinto que não tenho nada relevante para dizer ou compartilhar, pelo menos não nesse cenário em que estamos vivendo no momento. As pessoas já tem opinião formada sobre tudo e querem consumir informações rápidas e não muito complexas, a sensação de estar falando sozinha saiu da esfera virtual, hoje em diversas ocasiões me pego falando literalmente com as paredes na vida real. É o reflexo das redes sociais, onde tudo é muito rápido e pouco complexo.

Sinto saudades dos velhos blogs onde as pessoas compartilhavam seu dia a dia despretensiosamente, sem a intenção de impressionar ou passar impressões muito distantes da realidade. Felizmente ainda restam alguns que se mantiveram intactos e protegidos dessa era de vidas perfeitas e desesperadas por likes e sigo me apegando à esses poucos sobreviventes da era digital.

A vida do lado de cá não anda fácil, a internet ainda é um lugar onde encontro algum refrigério pra essa minha alma inquieta que sente que não cabe em lugar nenhum. Ou talvez caiba, mas eu ainda não tenha a coragem suficiente de fazer ela se encaixar no espaço que sempre foi meu... Alguém mais vive com esse eterno sentimento de que está no lugar errado, no momento histórico errado e num contexto de vida completamente errado também?

Me questiono porque nunca fiz nada pra mudar isso. Medo da rejeição, comodismo, procrastinação? Acho que é um pouco de cada coisa. Não sei se estou preparada para ser por fora como eu sou por dentro. Mas por que? Ainda não achei resposta pra essa pergunta.

Mas sei que preciso dar o primeiro passo, começar por algum lugar e talvez continuar escrevendo aqui seja meu primeiro ato de rebeldia, continuar falando mesmo não tendo muito o que dizer, compartilhando minhas pequenas alegrias com alguns poucos que ainda se interessam em saber um pouco sobre os meros mortais que ainda habitam esse mundo virtual.

Vou me esforçar, prometo.