4.8.19

Domingo, 4.

Tenho estado longe. Longe não só desse blog, nem das redes sociais, nem dos contatos físicos. Ando longe dos meus pequenos prazeres diários, das coisas que desejo aprender e conhecer, longe do que sou e do que quero ser.

Estou naquela fase enfadonha da vida em que sinto que não tenho nada relevante para dizer ou compartilhar, pelo menos não nesse cenário em que estamos vivendo no momento. As pessoas já tem opinião formada sobre tudo e querem consumir informações rápidas e não muito complexas, a sensação de estar falando sozinha saiu da esfera virtual, hoje em diversas ocasiões me pego falando literalmente com as paredes na vida real. É o reflexo das redes sociais, onde tudo é muito rápido e pouco complexo.

Sinto saudades dos velhos blogs onde as pessoas compartilhavam seu dia a dia despretensiosamente, sem a intenção de impressionar ou passar impressões muito distantes da realidade. Felizmente ainda restam alguns que se mantiveram intactos e protegidos dessa era de vidas perfeitas e desesperadas por likes e sigo me apegando à esses poucos sobreviventes da era digital.

A vida do lado de cá não anda fácil, a internet ainda é um lugar onde encontro algum refrigério pra essa minha alma inquieta que sente que não cabe em lugar nenhum. Ou talvez caiba, mas eu ainda não tenha a coragem suficiente de fazer ela se encaixar no espaço que sempre foi meu... Alguém mais vive com esse eterno sentimento de que está no lugar errado, no momento histórico errado e num contexto de vida completamente errado também?

Me questiono porque nunca fiz nada pra mudar isso. Medo da rejeição, comodismo, procrastinação? Acho que é um pouco de cada coisa. Não sei se estou preparada para ser por fora como eu sou por dentro. Mas por que? Ainda não achei resposta pra essa pergunta.

Mas sei que preciso dar o primeiro passo, começar por algum lugar e talvez continuar escrevendo aqui seja meu primeiro ato de rebeldia, continuar falando mesmo não tendo muito o que dizer, compartilhando minhas pequenas alegrias com alguns poucos que ainda se interessam em saber um pouco sobre os meros mortais que ainda habitam esse mundo virtual.

Vou me esforçar, prometo.

4 comentários:

  1. Sinta-se abraçada! Eu me sinto assim também.

    ResponderExcluir
  2. Me vi em todo o seu texto *0*. Fico feliz que alguem tenha conseguido escrever aquilo que eu também sinto mas que não venho conseguindo escrever, pra me entender melhor.

    Eu tentarei estar sempre aqui para te ler. Esse mundo de blogs é incrível. Torço para que não acabe nunca ❤ também preciso dar o primeiro passo e mudar de verdade. Estou querendo começar em um novo blog que me der mais conforto. Aaaa mal posso esperar pra voltar a postar também.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, Pri, me identifico muito com o que você disse e sei como pode ser, eu tenho tentado me ocupar com novos hobbies, e alguns velhos também, e isso tem trazido mais cor para os meus dias além de acontecimentos novos, eu não sou fã de monotonia (será que tem alguém que é?), acho que todos os dias devem ser completamente desiguais, só assim nós aprendemos coisas novas e vivemos melhor.

    Tenho sentido muita saudade dos velhos blogs esses últimos meses - principalmente do seu, é claro - a verdade é que as pessoas tem parado de compartilhar seus dias nos blogs e feito isso no instagram, e tudo lá me parece mais superficial sabe, eu mesma desativei o meu por não estar vendo mais propósito nesse app, perdi a vontade de usá-lo, rs.

    Eu espero que você possa superar esses seus questionamentos, e que tudo dê certo pra você, não tem sido fácil por aqui também, mas eu me esforço a cada dia para mudar as coisas com as quais me deixam insatisfeita, mesmo que seja um tiquinho, e isso está sendo o suficiente para eu ver fagulhas de esperança.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Compartilhar suas pequenas alegrias conosco fará bem a você e a nós, tenha a certeza ♡

    ResponderExcluir

Sinta-se à vontade para comentar ♥